Acusado de matar barbeiro a facadas no meio da rua e ficar ao lado da vítima caída tem primeira audiência

Crime cometido em Paraguaçu Paulista no início de junho teria tido motivação passional, segundo investigação da Polícia Civil. Vigilante de 37 anos que ficou sentado perto da vítima ferida vai responder por homicídio simples.

Vigilante ficou sentado ao lado da vítima esfaqueada e fugiu na sequência, após ser ameaçado por moradores — Foto: Arquivo pessoal

PARAGUAÇU PAULISTA-SP — O vigilante de 37 anos que perseguiu a pé e matou a facadas o barbeiro Fábio da Silva Melo, conhecido como Fábio Corleone, em Paraguaçu Paulista, no início de junho, passará nesta segunda-feira, dia 09 de agosto de 2021, pela primeira audiência do caso, marcada para as 14h, no Fórum da cidade.

Segundo informações do TJ-SP – Tribunal de Justiça de São Paulo, a denúncia foi recebida no último dia 2 de julho de 2021 e a Justiça marcou para esta segunda a audiência de instrução, na qual são ouvidas as testemunhas de acusação e defesa e há o interrogatório do réu.

Dependendo do andamento dos trabalhos, há a possibilidade de que o juiz decida pela pronúncia ou não do réu durante essa audiência. Se pronunciado, o vigilante irá a júri popular.

Logo após o crime, o réu disse em depoimento à Polícia Civil que pensou em se entregar à polícia e, por isso, ficou sentado por um tempo ao lado da vítima caída no asfalto. Uma imagem enviada à reportagem mostra Fagner sentado na calçada.

No dia do crime, imagens de câmeras de segurança registraram o momento em que o vigilante invadiu o local de trabalho da vítima, uma barbearia na Rua Paraíba, no bairro Francisco Roberto, e saiu correndo atrás do barbeiro. Logo depois, é possível ver que uma mulher deixa a barbearia de moto.

Na sequência, Fábio foi perseguido por vários quarteirões. A perseguição terminou na Rua Rachid Rosa, no Jardim das Oliveiras, onde o barbeiro foi esfaqueado.

MOTIVAÇÃO PASSIONAL

 

O barbeiro Fábio Corleone chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu — Foto: Reprodução/Facebook

Segundo o delegado João Fernando Paula Rodrigues, que comandou as investigações, o vigilante afirmou que só não ficou no local até a chegada dos policiais porque os moradores da região começaram a ameaçá-lo de agressão.

Pressionado, Fagner retornou à barbearia para pegar seu carro e fugiu tomando a direção de Maracaí, cidade vizinha que fica a cerca de 30 quilômetros, onde acabou detido pela Polícia Militar.

Segundo o delegado, a motivação do crime foi passional. As investigações e os depoimentos do réu e de testemunhas indicam que o barbeiro mantinha um relacionamento amoroso com a esposa do vigilante.

Em seu depoimento, o vigilante afirma que “perdeu a cabeça” ao ver a esposa beijando a vítima. Segundo as investigações da Polícia Civil, o flagrante da traição teria acontecido no bairro Francisco Roberto, onde fica a barbearia da vítima.

Nas imagens das câmeras de segurança, é possível ver uma mulher deixando o local em uma moto logo após o vigilante iniciar a perseguição ao barbeiro. Segundo o delegado, a mulher seria a esposa de Fagner.

Ainda em seu depoimento, o homem negou qualquer premeditação do crime, mas admitiu seu caráter passional. Ele disse que, ao flagrar a cena do beijo, perseguiu o barbeiro, foi ofendido por ele e, por isso, cometeu o crime.

Barbeiro é perseguido na rua e morre após ser esfaqueado em Paraguaçu Paulista — Foto: Arquivo pessoal

Outras Notícias

Mais acessadas da seamana