Jean Wyllys diz que desistiu de mandato e vai deixar Brasil após ameaças

Eleito pela terceira vez deputado federal pelo PSOL, ele foi o primeiro parlamentar assumidamente gay a encampar agenda LGBT e vivia sob escolta policial.

SÃO PAULO — Jean Wyllys, eleito pela terceira vez consecutiva deputado federal pelo PSOL do Rio de Janeiro, decidiu não assumir o mandato.

Ele está fora do Brasil em férias, em um local não revelado, e não pretende voltar. A decisão foi divulgada em entrevista exclusiva para o jornal Folha de São Paulo publicada nesta quinta-feira (24).

O parlamentar diz que decidiu deixar a vida pública e se dedicar a retomar sua carreira acadêmica devido a ameaças recebidas no país.

“Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo, não importa que façamos por outros meios! Obrigado a todas e todos vocês, de todo coração. Axé!”, escreveu Wyllys em sua conta oficial no Facebook.

Eleito pela primeira vez em 2010, ele foi o primeiro parlamentar assumidamente homossexual a levantar pautas da comunidade LGBT no Legislativo.

Nas eleições do ano passado, Wyllys quase não foi reeleito: ele recebeu 24.295 votos e ficou na última posição das 46 vagas reservadas para o Rio de Janeiro.

O seu suplente, que deve assumir o mandato de deputado federal no seu lugar, é o vereador carioca David Miranda (PSOL-RJ), que também é homossexual.

Wyllys era alvo frequente de notícias falsas. Recentemente, a Justiça condenou Alexandre Frota, deputado federal eleito pelo PSL, a prestação de serviços e multa por ter atribuído a Wyllys uma defesa da pedofilia que ele jamais fez.

Mais acessadas da seamana