Enterrado em Lins

Idoso que aguardava exame de cateterismo morre após sofrer infarto em Bauru

Homem de 79 anos não conseguiu fazer o procedimento porque equipamentos dos dois hospitais públicos da cidade estavam quebrados. Justiça chegou a emitir liminar para o estado resolver situação, mas prazo não foi cumprido.

G1 | Redação
Idoso que aguardava exame de cateterismo em Bauru morre após sofrer infarto, Francisco Norberto de Noronha — Foto: TV TEM/Reprodução/Arquivo

Idoso que aguardava exame de cateterismo em Bauru morre após sofrer infarto, Francisco Norberto de Noronha — Foto: TV TEM/Reprodução/Arquivo

BAURU-SP — Um idoso de 79 anos que aguardava uma vaga para fazer exame de cateterismo em Bauru-SP desde a semana passada morreu nesta quinta-feira, dia 08, à tarde por complicações de um infarto. O aposentado Francisco Norberto de Noronha foi enterrado na tarde desta sexta-feira, dia 09, em Lins, cidade onde morava.

Segundo a família, Noronha aguardava a vaga na casa da filha, que mora em Bauru. Na última segunda-feira. dia 05, o aposentando teve complicações e foi levado para uma Unidade de Pronto-Atendimento — UPA — e depois transferido para o Hospital Estadual, onde morreu.

A reportagem da TV TEM mostrou o caso na última sexta-feira, dia 02, quando a família começou a buscar o agendamento de um exame de cateterismo. O aposentado teve um infarto e foi internado no Hospital Geral de Promissão, cidade vizinha a Lins.

O médico que o atendeu pediu que ele fizesse o exame de cateterismo no Hospital de Base (HB), de Bauru. Ao chegar à cidade, a família foi informada que os aparelhos que fazem o cateterismo, tanto no HB como no Hospital Estadual, estavam quebrados.

Na ocasião, a Diretoria Regional de Saúde (DRS-6) informou, em nota, que o caso do aposentado não apresentava risco iminente e, por não ser prioritário, o SUS não teria como levá-lo a Botucatu, onde há o equipamento para o cateterismo.

A nota também informava que um aparelho de cateterismo orçado de R$ 2,1 milhões está sendo comprado para o HB e deve entrar em funcionamento neste semestre, sem data definida. Já o equipamento do Hospital Estadual está em manutenção, também sem prazo para conclusão do serviço.

Sem conseguir o agendamento, Juliana Noronha, filha do aposentado, entrou com pedido de internação na Defensoria Pública e a Justiça deu prazo para o estado resolver a situação até a última terça-feira (6). O prazo não foi cumprido e o aposentado morreu dois dias depois.

Outro lado — Em nota enviada à reportagem, a Secretaria Estadual de Saúde informou que o paciente morreu “devido à gravidade do quadro clínico”. O texto diz ainda que o paciente deu entrada no serviço com quadro de insuficiência cardíaca, “situação em que não seria necessária a realização de cateterismo”.

A nota reforça a informação anterior sobre o investimento de R$ 2,1 milhões para compra de um novo equipamento para o setor de hemodinâmica, com “previsão de instalação nos próximos meses”. A nota diz ainda que o estado “também tem buscado medidas para atender os pacientes da região, como por exemplo, comprar exames em outros serviços da região”.

Comente

Veja Também